<

Atividades do Poema O Rio

Estudo do texto: Leia o poema "O Rio de Olavo Bilac" e responda os exercícios


Selecionamos nesta postagem diversas sugestões de Atividades do Poema O Rio de Olavo Bilac.

Leia o poema a seguir, de Olavo Bilac, este importante poeta parnasiano brasileiro.

Parnasianismo é uma escola literária ou um movimento literário essencialmente poético, contemporâneo do Realismo-Naturalismo. Um estilo de época que se desenvolveu na poesia a partir de 1850, na França, com o objetivo de retomar a cultura clássica.

Veja também:

O rio – Olavo Bilac

Da mata no seio umbroso,
No verde seio da serra,
Nasce o rio generoso,
Que é a providência da terra.

Nasce humilde; e, pequenino,
Foge ao sol abrasador;
É um fio dágua, tão fino,
Que desliza sem rumor.

Entre as pedras se insinua,
Ganha corpo, abre caminho,
Já canta, já tumultua,
Num alegre borburinho.

Agora ao sol, que o prateia,
Todo se entrega, a sorrir;
Avança, as rochas ladeia,
Some-se, torna a surgir.

Recebe outras águas, desce
As encostas de uma em uma,
Engrossa as vagas, e cresce,
Galga os penedos, e espuma.

Agora, indômito e ousado,
Transpõe furnas e grotões,
Vence abismos, despenhado
Em saltos e cachoeirões.

E corre, galopa, cheio
De força; de vaga em vaga,
Chega ao vale, alarga o seio,
Cava a terra, o campo alaga . . .

Expande-se, abre-se, ingente,
Por cem léguas, a cantar,
Até que cai finalmente,
No seio vasto do mar . . .

Mas na triunfal majestade
Dessa marcha vitoriosa,
Quanto amor, quanta bondade
Na sua alma generosa!

A cada passo que dava
O nobre rio, feliz
Mais uma árvore criava,
Dando vida a uma raiz.

Quantas dádivas e quantas
Esmolas pelos caminhos!
Matava a sede das plantas
E a sede dos passarinhos . . .

Fonte de força e fartura,
Foi bem, foi saúde e pão:
Dava às cidades frescura,
Fecundidade ao sertão . . .

E um nobre exemplo sadio
Nas suas águas se encerra;
Devemos ser como o rio,
Que é a providência da terra:

Bendito aquele que é forte,
E desconhece o rancor,
E, em vez de servir a morte,
Ama a vida, e serve o Amor!

borborinho: rumor, barulho
furnas: caverna, gruta
galga: avança, sobe, salta por cima.
grotão: depressão profunda que se situa entre montanhas de relevo fortemente desnivelado.
indômito: incomodo, invencível, soberbo
vaga: tudo aquilo que lembra a forma ou o movimento das ondas.
ingente: grande, desmedido, muito forte
penedos: grande rochedo, penhasco
umbroso: escuro, sombriu
ladeia: segue ao lado de, contorna

Olavo Bilac

Olavo Bilac (1865 – 1918) é o autor da letra do Hino à Bandeira Nacional. Ele foi um dos propagandistas da abolição, ligando-se estreitamente a José do patrocínio. Alem de exercer vários cargos públicos no estado do Rio de Janeiro e na antiga Guanabara, era a favor do serviço militar obrigatório, que considerava uma forma de manifestação de amor.

Considerado o maior nome parnasiano brasileiro, foi um dos fundadores da Academia Brasileira de LETRAS. A correção da linguagem, o rigor da forma e a espontaneidade são as principais características dos seus versos.

Atividades do Poema O Rio de Olavo Bilac

  1. Releia os versos:

Da mata no seio umbroso,
No verde seio da serra,
Nasce o rio generoso,
Que é a providência da terra.

Olavo Bilac, assim como outros importantes poetas parnasianos, geralmente empregava a figura de construção chamada hipérbato, que consiste na inversão da ordem natural dos termos da oração.

  • Faça o que se pede: Reescreva os versos anteriores de modo a iniciá-los conforme sugestão abaixo> Atente para não alterar o sentido original!

“O rio generoso_______

A cada passo que dava
O nobre rio, feliz
Mais uma árvore criava,
Dando vida a uma raiz.

“O nobre rio _______

2. No poema “O rio”, o eu liro:

a) trata, principalmente, da humildade de um rio

b) destaca apenas duas qualidades do rio: generosidade e humildade

c) chama a atenção do leitor para o exemplo do rio que deveria ser seguido pelos seres humanos: amar a vida e servir o amor.

d) tem como propósito principal mostrar a ousadia do rio.

e) compara as ações de um rio com o de um ser humano bondoso e integro

3. Nas linhas seguintes, explique a importância da ultima estrofe do poema, tendo em vista o tema tratado.

4. O rio é chamado, no porma lido de “providência da terra”. Qual dos trechos seguintes exemplifica essa afirmação:

a) Avança, as rochas ladeia.

b) Fonte de força e fartura, foi bem, foi saúde e pão

c) E corre, galopa, cheio de força

d) Entre as pedras se insinua.

5. Nesse poema, o eu lirico revela algumas das fases pelas quais passa um rio. Numere os parenteses, de modo a reordenar essas fases, de acordo com o poema lido:

( ) Expande-se e torna-se grande, muito forte.

( ) Depois ganha corpo e ganha caminho

( ) Recebe outras águas e cresce.

( )Junta-se águas do mar

( ) O rio nasce como um rio d’água, bem fino.

( ) Chega ao vale e alarga o seio.

____

O que achou da postagem? Se gostou não deixe de compartilhar com seus amigos nas redes sociais. E também deixe seu comentário com sua opinião e sugestão.


você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.