<

Ebola

Ebola: o que é, como surgiu, transmissão, sintomas, tratamento, prevenção e vacinas


Ebola é uma doença que ainda trás muitas preocupações e duvida no âmbito atual, a mesma é transmitida pelo vírus ebola e acomete principalmente as pessoas que vivem na região africana,  é grave e em alguns casos pode até levar a morte.

COMO SURGIU a Ebola?

Os primeiros casos de ebola tiveram seu primeiro indicio na áfrica em meados de 1976, o seu aparecimento se deu em duas cidades, republica do congo e Sudão, o nome dado a doença ocorreu pelo fato de ambas estarem localizadas próximas ao rio ebola, ou seja, é através do rio que vem o nome da doença tão temida por muitas pessoas.

O agente causador da doença é o ebola vírus da família Filoviridae, os morcegos foram os primeiros infectados com o vírus, mesmo com a doença presente no corpo, o morcego não apresentou nenhum sintoma e continuou em sua estado normal, ou seja, não progrediu a doença, mas há um detalhe  importante ,esse vírus não apenas passou para o morcego, mas também  para outros animais da cadeia alimentar, chegando até a espécie humana.

A transmissão para a espécie humana pode ter ocorrido devido ao habito de algumas cidades africanas se alimentarem desses animais infectados, como o morcego, chimpanzés, gorilas, macacos, enfim, com isso o vírus foi transmitido para a corrente sanguínea.

Existem mais de 5 espécies de vírus da doença, cada vírus representa um nome da cidade já afetada pela mesma: O próprio vírus ebola, Vírus Reston, o vírus reston é importante mencionar que não afeta humanos, apenas animais, vírus Sudão, Vírus tai Forest e vírus bundibugyo.

O vírus ebola é o mais letal de todos os outros vírus mencionados, a taxa de morte pode chegar até 90% dos casos, isso mesmo, 90% dos casos, ou seja, é muito pouco a taxa de pessoas que conseguem se curar da doença com os tratamentos adequados

TRANSMISSÃO DA EBOLA

A transmissão pode ocorrer de algumas formas, como o compartilhamento de sangue por meio de seringas, secreções, como nasais, sexuais, transmissão pelas fezes, pela urina, e até mesmo pelo suor, sendo que nesse ultimo caso ainda não foi comprovado com precisão se acontece mesmo à transmissão.

O período de incubação, ou seja, quando a doença ainda não se desenvolveu completamente e ainda não houve nenhum sintoma não há possibilidade de transmissão, a transmissão só ocorre com os sinais da doença.

SINTOMAS DA EBOLA

Os sintomas podem ser variados e costumam aparecer em torno de 21 dias depois do aparecimento da doença no corpo:

  • Febre súbita, ou seja, picos elevados de febre sem causa aparente
  • Diarréia acompanhada por dores abdominais
  • Vômitos freqüentes sem causa aparente
  • Em alguns casos mais graves pode haver hemorragia no corpo
  • Podem surgir feridas características da doença
  • Em alguns casos que não houve uma maior atenção ao problema, pode levar a falência dos rins e fígado, resultando a morte na segunda ou terceira semana depois do aparecimento do vírus

Se houver complicações serias da doença, em alguns casos há descamação da pele, diarréias de níveis agravantes, perda de consciência, hemorragias internas e externas, como olhos, nariz, ouvido, ocasionando sérios danos celebrais, e principalmente o comprometimento de alguns órgãos importantes do nosso corpo, como os rins e fígado como já mencionado

Quando houver qualquer suspeita da presença da doença ebola em alguma região, principalmente em regiões da áfrica, deve ser comunicado rapidamente, pois a mesma é de nível de notificação compulsória.

Também recomendamos a leitura do artigo: Hanseníase

TRATAMENTO

O tratamento ainda não é totalmente especifico, mas já surgiram duas grandes vacinas para a prevenção da doença, sendo que a ultima ainda está em desenvolvimento, à preocupação é voltada também para o alivio dos sintomas. O exame realizado para detectar a doença é o PCR, nesse exame é avaliado o sangue em duas coletas e devidamente encaminhado para analise.

Como mencionado, ainda não há um tratamento especifico para a ebola, mas ela pode ser controlada e até mesmo neutralizada com tratamentos paliativos e vacinas já disponíveis em algumas cidades afetadas.

  • Doação sanguínea que ajuda a neutralizar o vírus da doença
  • Terapias imunológicas,
  • E alguns medicamentos e vacinas que ainda estão em fase de teste

PREVENÇÃO DA EBOLA

O Brasil ainda não apresentou nenhuma notificação de casos de ebola, porem é de extrema importância ficar atento aos fatores de riscos que podem ocorrer:

  • Evitar o contato, ou seja, controlar as fronteiras para evitar que pessoas em território de riscos, como a Libéria e a republica democrática do congo não tenha contato com as outras pessoas, evitando assim o primeiro contagio
  • Muitas não sabem que cadáveres infectados com a doença por mais que estejam sem vidas podem ainda transmitir a doença, com isso é de extrema importância conceber um enterro digno e seguro para esses indivíduos.
  • Evitar manusear objetos ou corpos de pessoas infectadas e principalmente realizar diariamente a higienização das mãos

VACINAS DA EBOLA

Durante bastante tempo ainda não havia nenhum sinal de vacina que poderia afetar diretamente a doença, em maio de 2018, essa vacina teve sua fase experimental no congo, sendo uma área bastante afetada pela doença.

A pesquisa realizada da eficácia da vacina, segundo a OMS, foi testada em mais de 16 mil pessoas que se voluntariaram de livre e espontânea vontade, divididos entre a Europa, Estados unidos e principalmente a região da áfrica. Felizmente a vacina demonstrou grandes avanços no combate da doença.

A mesma já teve seu processo de teste em 2015, na cidade de Guiné, em 2018, a estratégia utilizada foi à vacinação em anel, ou seja, as pessoas que tinham alguma suspeita de terem a doença eram rastreadas e recebiam a vacina, o objetivo era e continua sendo a prevenção do vírus evitando que o mesmo se espalhe. 

FATOS IMPORTANTES

Segundo a ONU, na cidade do Congo, houve mais de 1000 sobreviventes da doença devido o tratamento correto com a vacina ainda em fase experimental.

Os dados mostram que a doença ainda é muito presente e crescente, segundo a OMS, entre os meses de setembro e outubro, foram mais de 20 casos já confirmados do vírus e mais 29 na semana interior, esses casos foram identificados na província de Kivu Norte e Ituri. Com esse numero, elevou para 3.197 o total de infecções da doença.

  • Mês de Outubro 3.083 casos confirmados, desses 3.083 casos, houve um numero de mortalidade de 2.136, ou seja, o vírus ebola elevou para 67% a taxa de mortalidade
  • Os grupos de risco são mulheres, com 56% dos casos, crianças e adolescentes na faixa etária de 18 anos. Os agentes da área da saúde acabam sendo infectados durante o processo de tratamento, mas o numero de infectados é pequeno chegando a menos de 5%
  • Com a grande expectativa da grande melhora do numero de casos, será investido 61 milhões juntamente com 287 milhões de dólares para novas pesquisas, planos estratégicos e estudos sobre a doença, segundo a ONU
  • Em outubro de 2018 foi introduzida uma segunda vacina experimental em fase de adaptação. A mesma foi fabricada pela Multinacional Johnson e Johnson.
  • “A nova vacina, fabricada pela multinacional Johnson & Johnson, será administrada, em duas doses com 56 dias de intervalo, a populações em risco em áreas onde não existe transmissão ativa do Ébola como uma ferramenta adicional para alargar a cobertura contra o vírus”. (Segundo as Autoridades de Saúde RDCONGO, 2018)
  • A mesma vacina ira servir como complemento da primeira vacina, fabricada pela Merck, que foi totalmente elogiada e considerada muito segura.
  • Em 2014 houve o primeiro caso de ebola no Brasil, um homem de 47 anos que veio de guine, cidade essa com maiores casos do vírus, foi levado para o hospital Evandro chagas, referencia de tratamento contra doenças infecciosas.

Outros artigos:


você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.