Modelos, Parecer Descritivo, Relatórios

Relatório Descritivo


Confira dicas para fazer Parecer Descritivo do aluno (Relatório Descritivo) e também modelos para servir de base na hora de criar o seu.

“Por que é importante registrar? O ato de conhecer é permanente? Então está implícito o conhecimento como ato social e que esse educador fez história. Não existe sujeito do conhecimento sem apropriação de história. É o registro que historifica o processo para a conquista do produto histórico. Possibilita também a apropriação e socialização da memória, como história desse processo.” (Freire, M. 1989,p.5).

Confira ainda:

Relatório Descritivo – Dicas Iniciais

  • Cada aluno é único e diferente. Pareceres iguais pressupõe alunos iguais;
  •  O parecer descritivo deve complementar aquilo que foi registrado na página de habilidades. Portanto, não transcreva-as;
  • Precisamos ter um olhar inter e transdisciplinar. Portanto, vale abranger todos os campos do saber que de alguma forma se sobressaem no aluno. Mas não deixe de registrar especialmente, a Língua Portuguesa e a Matemática;
  • Lembre-se que o parecer descritivo é um documento que será utilizado na confecção do histórico escolar do aluno. Portanto, cuidado com as expressões pejorativas, julgamentos ou ambiguidades;
  • Principalmente para os alunos do Ciclo I de aprendizagem, registrar o nível de escrita.

Relatório Descritivo – Maiores Desafios

Quais são os maiores desafios na hora de fazer o (Relatório Descritivo ou Parecer Descritivo) ?

  • Prestar atenção em todos os alunos e em cada aluno;
  • Reunir o máximo de informações possíveis sobre o aluno, tanto no contexto individual quanto nas suas relações com o meio;
  • Considerar os instrumentos de avaliação;
  • Priorizar as produções;
  • Explicitar o desenvolvimento do aluno, considerando os aspectos sociais, cognitivos e psicomotores;
  • Priorizar os aspectos cognitivos e comportamentais;
  • Vincular o parecer à proposta pedagógica, aos planos de estudo e aos planos de trabalho;
  • Indicar estratégias para a superação das dificuldades;
  • Apontar a participação, a interação, a colaboração;
  • Refletir profundamente sobre a ação educativa;
  • Despir-se de concepções sócio-afetivas e emocionais sem desumanizar-se.

“A escrita – representação da fala, re-apresenta o que nossa consciência pedagógica se deflagra”. (Freire, M. 1989, p.5).

Relatório Descritivo – Pontos de Atenção

Confira a seguir os pontos que devemos prestar atenção:

  • Registros de avaliação exigem exercício do professor:
  • de prestar atenção nas manifestações dos alunos (orais e escritas);
  • de descrever e refletir teoricamente sobre tais manifestações;
  • de partir para ações ou encaminhamentos ao invés de permanecer nas constatações.

O QUE NÃO DEVEMOS FAZER NA HORA DO RELATÓRIO DESCRITIVO?

  • Listar apenas algumas habilidades aleatoriamente sem uma conexão;
  • Enfatizar apenas as habilidades que o aluno ainda não adquiriu, aparentando muitas vezes, que o “problema” é irreversível.

EX. “o aluno não conhece”, “não sabe”, “não realiza”, etc…

SUGESTÃO: Substituir por “ainda não conhece” ou“precisa desenvolver” ou “será necessário trabalhar”

O QUE FAZER?

  • Abordar questões COGNITIVAS que revelam a observação ou compreensão do aluno em seus estágios de desenvolvimento;
  • Analisar as possibilidades do aluno se desenvolver, de ir além naquela habilidade ainda não adquirida;
  • Descrever o desenvolvimento próprio de cada criança destacando seus avanços e conquistas;
  • Expor as necessidades e intervenções a serem feitas durante o processo de ensino-aprendizagem.

O QUE PRECISAMOS SABER?

  • Que habilidades e conhecimentos foram trabalhados com o aluno?
  • Quais os avanços que o mesmo vem demonstrando nestas áreas?
  • Apresenta alguma área a ser melhor desenvolvida?
  • Que sugestões você oferece neste sentido?
  • Atividade? Jogos? Leituras? Que trabalhos você vem realizando junto aos alunos?
  • Como o aluno se refere ao seu desenvolvimento neste período?

REDIGINDO O PARECER DESCRITIVO

  • Levar em conta os destinatários;
  • Utilizar linguagem cuidada, clara, simples, precisa e adequada ao público;
  • Considerar o caráter oficial do documento;
  • Observar ortografia, concordância e formatação;
  • Nomear os pareces;
  • Evitar palavras diminutivas;
  • Utilizar verbos e expressões que indiquem processo; Utilizar linguagem cuidada, clara, simples, precisa e adequada ao público;
  • Considerar o caráter oficial do documento;
  • Observar ortografia, concordância e formatação;
  • Evitar palavras diminutivas;
  • Utilizar verbos e expressões que indiquem processo;
  • Evitar contradições
  • Evitar comparações;
  • Evitar contradições
  • Evitar comparações;
  • Ser coerente;

Veja ainda: Sugestões para relatório ou parecer descritivo do aluno

COMO INICIAR UM PARECER OU RELATÓRIO DESCRITIVO

  • “Percebe-se o progresso de… durante este trimestre em…”
  • “Com base nos objetivos trabalhados no trimestre, foi possível observar que o aluno…”
  • “Observando o desempenho da aluna…, foi constatado que neste trimestre…”
  • “Com base nas avaliações realizadas, foi possível constatar que a aluna… identifica…”

ESCREVENDO SOBRE O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO

  • “Demonstra um ótimo/bom aproveitamento na aquisição da leitura e escrita.”
  • “Lê com fluência diferentes textos, fazendo conexões com a realidade.”
  • “Lê e interpreta os textos trabalhados em aula sem maiores dificuldades.”
  • “Escreve, ordena e amplia frases, formando textos coerentes e lógicos.”

ESCREVENDO SOBRE A PARTICIPAÇÃO/CONVÍVIO SOCIAL

  • “Demonstra respeito pelos colegas e professores”;
  • “Colabora nas atividades coletivas, atuando em grupo”;
  • “Aceita sugestões da professora e dos colegas”;
  • “Contribui para a integração e o crescimento do grupo”.

Vamos Refletir…

“O parecer é, sobretudo a imagem de um trabalho. Ao relatarmos um processo efetivamente vivido, naturalmente encontraremos as representações que lhe dêem verdadeiro sentido”. (Jussara Hoffmann, 1998.)


Relatório Descritivo ou Parecer Descritivo – Modelo

Veja Mais:

Aspecto sócio-emocional

Demonstrou uma criança alegre, prestativa e carinhosa, mas durante o trimestre apresentou insegurança a sua nova turma ( resistência em obedecer as regras estabelecidas para o desenvolvimento das atividades nos ambientes de aprendizagem da escola ) sendo necessário as professoras e a supervisora intervir para o mesmo aceitar.
Nos momentos de realização das atividades individuais e em grupo a criança só realizava as atividades e participava mediante a intervenção da professora.
Apresentou um bom relacionamento com os colegas e professores.
A criança manifesta bons hábitos de higiene e utiliza expressões de cortesia.
Apresenta pontualidade nas tarefas de casa, mas em algumas situações não concluiu o dever de sala no tempo determinado, sendo necessário ficar após o horário para copiar ou concluir o dever em casa. Em alguns momentos faltou ter mais responsabilidades com os objetos pessoais e se concentrar durante as explicações das atividades.

Aspectos psicomotor

Apresenta equilíbrio corporal acompanhando com segurança e agilidade os movimentos sugeridos nos jogos. Participa ativamente das brincadeiras propostas.
Consegue recortar corretamente o contorno solicitado. Tem uma boa coordenação motora fina ao traçar as letras.

Aspecto cognitivo (aprendizagem)

Em língua portuguesa a criança tem um bom desenvolvimento nas habilidades de leitura, interpretação e escrita.
Na expressão oral, a criança só expõe suas idéias mediante a solicitação da professora, mas consegue organizar informações para expor com coerência.
Na matemática em algumas situações necessita da ajuda da professora para resolver operações de adições e subtrações.

Trabalho realizado pela escola referente a dificuldade da criança

A professora conversou com a mãe sobre as dificuldades que a criança tinha em obedecer as normas estabelecidas para o desenvolvimento das atividades pedagógicas, e sobre o problema de dicção. Foi sugerido à família que trabalhassem a questão da autonomia com a criança através do desenvolvimento de atividades que a propicie em momentos de exercício dessa habilidade e manter o diálogo, orientando e trabalhando limites e sugeriu que levassem a um especialista para investigar as causas do problema de dicção.
Na sala de aula a professora sempre procurou trabalhar através de conversas sobre a importância do cumprimento das regras e limites para poder ter um melhor desempenho nas atividades propostas. A criança tem apresentado melhoras em obedecer as regras estabelecidas na escola.
Com relação a dicção a criança está em tratamento com a fonoaudióloga onde a mesma enviou um parecer explicando que a gagueira é uma síndrome complexa e de difícil tratamento, e que a criança não se encontrava em um nível avançado mas que necessitava de varias sessões fonoterápicas. ( A mesma está anexada no relatório)
Aspectos relacionados ao acompanhamento familiar
A criança tem apresentado um ótimo acompanhamento.
A família e escola devem caminhar juntas para o desenvolvimento da criança.

Recomendações a serem seguidas no próximo período

É importante que treine diariamente a leitura e a escrita, para quando construir frases e textos pequenos possa organizar melhor as idéias para escrever de forma correta. A prática dessas habilidades desperta o interesse e a atenção da criança, desenvolvendo a imaginação, a criatividade, a expressão das idéias e o prazer pela leitura e a escrita.
Exercitar a adição e subtração ( de acordo com o que vem sendo abordado), para que no próximo trimestre a criança continue avançando.
Algumas dicas importantes para a realização do dever de casa:
  1. Estimular sim, executar não – Os responsáveis não devem fazer o dever pela criança e sim demonstrar interesse pelo que a criança está aprendendo, dando algumas explicações com boa vontade e paciência.
  2. Estipular um horário – É importante que a criança realize sua tarefa de casa sempre no mesmo horário, para que se possa criar hábitos de estudo.
  3. Local apropriado – Esta é uma das regras básicas para tornar o dever satisfatório. Não dá para realizar uma tarefa enquanto se assiste à televisão ou se ouve música, muito menos durante os intervalos de qualquer outra atividade isso pode atrapalhar a concentração da criança.
  4. Pensamento positivo – Fique atenta para não transmitir, inconscientemente, que fazer o dever de casa é chato. Ao invés de cobrar “já fez o dever?“ ou “ainda não acabou a lição?“ tente participar: “prendeu algo novo na escola?“ ou “o que tem de bom no seu dever de hoje?“. Se demonstrar pressa ou aflição em se livrar da tarefa, a criança vai acreditar que estudar não é bom.
  5. Quando os pais trabalham fora – Para suprir a ausência no momento do dever certifique-se, antes de sair, de que seu filho dispõe de todo o material necessário para cumprir a lição do dia. O ideal é que os adultos reservem um tempinho para se informar sobre o dever passado, assegurando-se de que a criança não tenha dúvida.
Assinatura do responsável:
Fonte: Simone Drumond
http://simonehelendrumond.blogspot.com.br/2010/11/relatorio-descritivo-simone-helen.html

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *