Datas Comemorativas

Dia da independência do Brasil


O dia da independência do Brasil é um dos momentos mais falados do ano, com proclamações e comentários que muitas das vezes não estamos tão acostumados e podem nos parecer confusos.

Mas mesmo com todo o contexto de evolução e dos “vários lados” desse evento é importante conhecermos, entendermos e familiarizarmos com o dia da independência do Brasil.

O dia da independência do Brasil também foi o dia em que revolucionou toda a estrutura da sociedade Brasileira.

Aconteceu em 7 de setembro, em uma sexta feira, 1822.Dia da Independência do Brasil - 7 de Setembro

Qual a história da independência do Brasil?

A história da independência do Brasil pode ser descrita por um processo de longos quatro anos, de 1821 a 1825. Nesse período de mudança governamental foi caracterizado pela constante violência, que destacava o Reino de Portugal e o Reino do Brasil.

Porém sua história apresenta uma trajetória maior ainda.

Toda a história surgiu junto com a descoberta das terras brasileiras. Em abril de 1500, Portugal decidiu reivindicar as terras como suas.

Período também caracterizado pelo comando das embarcações por Pedro Álvares Cabral

A colonização por sua vez iniciou em 1534 com Dom João III.

Em 1549 o Rei começou a tomar comando das terras, e acabou por atribuir um chamado na época como “Governo-Geral”.

As tribos presentes nas terras ou foram escravizadas ou acabaram sendo exterminadas pelas doenças europeias, a qual não tinham resistência.

Quando a riqueza de açúcar foi descoberta nas terras do Brasil a exportação começou, e junto com ela a escravidão. Houve então a exportação de africanos.

2 séculos foram cravados dessa luta, da escravidão e da diversidade de opiniões que por certo não deveriam existir, ou ao menos o governo daquela época acreditava.

Em 1799 o rei do Brasil também tornou-se o rei de Portugal, isso após a rainha, sua mãe, ser declarada pelos médicos como louca.

E foi em 1801 que as idéias da transferência do governo de Portugal para o Brasil se iniciou.

França e a união com Portugal – Influência para a independência do Brasil:

Dia da Independência do Brasil - 7 de Setembro

O governo então passou a acreditar que somente com a aproximação a França seria possível tal transferência. Apoiadas pela maçonaria acreditavam-se que as ideias iluministas tinham sido espalhadas clândestinamentes por todas as regiões. Teorias que vão até os dias atuais.

Em 1806 após o Bloqueio Continental em Berlim, imposto por Napoleão Bonaparte que impedia acesso aos portos do império francês, tornou-se muito mais complicado fazer a mudança governamental.

Em 29 de novembro de 1807 com a invasão da França em Portugal, tal país foi dividido em três reinos. Onde iniciou-se a viagem da família real portuguesa e da côrte francesa.

Foram mais de 50 navios que chegaram a costa brasileira. Que ao todo continham 15 mil portugueses.

Depois de 1808 Portugal começou a agir nas terras brasileiras, assumindo-a por completa como metrópole e não mais como uma colônia.

Com a revolução constitucionalista a corte voltou para Portugal, portanto o príncipe Regente D. Pedro de Alcântara permaneceu e foi assim que a independência do Brasil começou.

A revolução do Porto e a interferência no Brasil

Reino Unido que fazia aliança com Portugal acreditava ser imprudente que o país fosse para uma colônia pouco conhecida. Os governadores agora presentes no Brasil, tentaram modificar a situação e permanecer no Brasil.

Em 1820 quando houve a revolução liberal do porto os reis tiveram que retornar ao seu estado inicial e Dom Pedro ficou.

Quais foram os principais fatores que levaram a independência do Brasil?

Dia da Independência do Brasil - 7 de Setembro

Foram com certeza inúmeros fatores que levaram a independência do Brasil, portanto logo quando surgiu em Portugal a Revolução liberal do Porto, surgiu também o movimentos dos constitucionais que foi ressaltado na reunião das cortes.

Onde destacava que quando o Brasil era colônia de portugal o comércio não era livre. Sendo proibido com qualquer outro país.

Em 1808 foi liberado o comércio, portanto, quando a corte retornou a Portugal decidiu proibir novamente.

A nobreza não aceitou já que a fatura e o comércio haviam aumentado grandemente.

Pedro foi pressionado para parar de aceitar as ordens de Portugal. A Inglaterra que fazia constantemente negócios com o Brasil decidiu intervir e também pressionou D. Pedro.

O Rei de Portugal ao saber que todos estavam pressionando seu filho a deixar suas ordens pediu para que o mesmo retornasse.

O Baixo assinado

Pedro que não queria retornar a Portugal reuniu um baixo assinado, que mais tarde mostrou a seu pai dizendo ter tomado a decisão de continuar no Brasil. Um dia que passou a ser conhecido na história como “O Dia do Fico”.

“Se é para o bem de todos e felicidade geral da nação, diga ao povo que fico.”

Como começou a independência?

Depois de se negar a voltar para Portugal, as ações de Dom Pedro começaram a desagradar totalmente a burguesia portuguesa. Esse fator ocorre principalmente porque acabaram não tendo liberdade em dar ordens ou reivindicar algo do Brasil. O governo passava-se a ser completamente distinto.

Dom Pedro, então, reuniu a assembléia de constitucionalistas e organizou a marinha de Guerra. Fator que obrigou que todas as tropas portuguesas voltassem a Portugal.

O dia da independência do Brasil foi logo após realmente Dom Pedro determinar que nenhuma lei de Portugal seria levada em consideração, sem claramente sua aprovação ou da assembléia dos constitucionalistas.

Dom Pedro e a preocupação com a economia brasileira

Dia da Independência do Brasil - 7 de Setembro

Dom Pedro ao recusar apoio de Portugal sentiu-se preocupado com a economia do Brasil, sendo assim, decidiu viajar para Minas Gerais e São Paulo, respectivamente, para esclarecer ao povo sua preocupação.

Queria também esclarecer ao povo seus novos projetos para o país, portanto, foi barrado ao receber uma nova carta, que anulava completamente a assembleia constitucional e pedia pelo seu retorno.

Ele estava em Santos, logo ao rio Ipiranga, e foi quando em um grito de guerra, levantando a espada proclamou: “Independência ou morte”.

O dia passou a ser conhecido nacionalmente, como o dia em que Dom Pedro salvou o povo das tiranias de seu pai.

Em dezembro do mesmo ano foi declarado o Imperador do Brasil.

Foi assim que ocorreu o dia da independência do Brasil.

O que o grito de “Independência ou morte” pode mostrar sobre Dom Pedro?

O grito de “independência ou morte” foi um dos principais inícios da “adoração ao povo” em seu nome. Onde mostrava que ele estaria disposto a morrer pelo povo, e melhor, que ele tinha coragem o suficiente para ir contra toda a sua família, contra seus princípios.

O grito de independência o levantou na sociedade brasileira e o tornou um marte para todas as gerações seguintes.

Como se tornou a economia depois da independência do Brasil?

Depois do dia da independência do Brasil até mesmo a economia foi vista diferente. No geral, a economia tornou-se mais aberta.

As negociações com distintos países foi uma das primeiras mudanças feitas após o dia da independência do Brasil.

Portanto grandemente as negociações foram mudadas de foco. Houveram consequência de milhares de mortos nas guerras pela liberdade do povo. Onde acabou por apresentar dificuldades para o país se restabelecer.

Por mais que Dom Pedro abrisse estradas e modificasse um pouco da sociedade brasileira, o povo não conseguia completamente se adaptar às mudanças. O que gerou uma série de conflitos durante anos.


Poesias sobre a Independência do Brasil

7 DE SETEMBRO – DIA DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

Eu sonho com um Brasil limpo,
com qualidade na saúde e educação.
Eu sonho com um Brasil Justo,
com segurança.
Eu sonho com um Brasil de fartura.
Eu sonho com um Brasil de paz,
com união entre as pessoas.
Eu sonho com um Brasil alegre,
sem violência e morte.


Dia da Independência do Brasil

Recuso-me a aceitar o que me derem.
Recuso-me às verdades acabadas;
recuso-me, também, às que tiverem
pousadas no sem-fim as sete espadas.

Recuso-me às espadas que não ferem
e às que ferem por não serem dadas.
Recuso-me aos eus-próprios que vierem
e às almas que já foram conquistadas.

Recuso-me a estar lúcido ou comprado
e a estar sozinho ou estar acompanhado.
Recuso-me a morrer. Recuso a vida.

Recuso-me à inocência e ao pecado
como a ser livre ou ser predestinado.
Recuso tudo, ó Terra dividida!

Jorge de Sena, in ‘Coroa da Terra’


Independência e Morte 
Onde está, deste Brasil, a independência?
Quem assume sobre nós todo o controle?
O povo segue batendo continência
Absurdamente ignorante
De seus direitos, seus domínios, no semblante
A idiotizada gratidão aos seus feitores.
Onde está, desse Brasil, a liberdade?
Quem livre é nesse teatro ilusório
Que traz texto tão senil quanto contraditório
Utilizando na montagem personagens tão reais?
Onde está a nossa Ordem e o Progresso?
Onde está nosso caminho, nosso acesso
Ao que seria uma conquista da História?
Não pertencemos mais, é fato, a Portugal
Mas prisioneiros de um covil eleitoral
Vendemos por tostão o que seria nossa glória.
Onde está, desse Brasil, a independência?
O que mesmo comemoramos nessa data?
Na bandeira nossas cores são chacotas
E no hino as promessas são lorotas
O que mesmo o cidadão hoje idolatra?
Eu só sei que outro 7 de setembro passa
E a Independência segue desaparecida
Camuflada, anônima e obstruída.
Morre nossa esperança
Ou morre a nossa própria vida?

Hino da Independência do Brasil

Evaristo Ferreira da Veiga

Já podeis da Pátria filhos
Ver contente a mãe gentil
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil
Já raiou a liberdade
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil!

Brava gente brasileira!
Longe vá temor servil
Ou ficar a Pátria livre
Ou morrer pelo Brasil
Ou ficar a Pátria livre
Ou morrer pelo Brasil!

Os grilhões que nos forjavam
Da perfídia astuto ardil
Houve mão mais poderosa
Zombou deles o Brasil
Houve mão mais poderosa
Houve mão mais poderosa
Zombou deles o Brasil

Brava gente brasileira!
Longe vá temor servil
Ou ficar a Pátria livre
Ou morrer pelo Brasil
Ou ficar a Pátria livre
Ou morrer pelo Brasil

Não temais ímpias falanges
Que apresentam face hostil
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil
Vossos peitos, vossos braços
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil

Brava gente brasileira!
Longe vá temor servil
Ou ficar a Pátria livre
Ou morrer pelo Brasil
Ou ficar a Pátria livre
Ou morrer pelo Brasil

Parabéns, ó brasileiros!
Já, com garbo juvenil
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil
Do universo entre as nações
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil

Brava gente brasileira!
Longe vá temor servil
Ou ficar a Pátria livre
Ou morrer pelo Brasil
Ou ficar a Pátria livre
Ou morrer pelo Brasil


Sugestões de Atividades sobre o Dia da Independência do Brasil


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *