Educação Infantil, Plano de Aula

Plano de aula diferenças – Socializando com as diferenças.


Plano de aula diferenças: Preconceitos, rótulos, discriminação são discursos negativos que entram em contato com as crianças deste cedo.
Saber valorizar diferentes raças e gêneros e pessoas com deficiência é trabalho para todo dia, para te auxiliar com isso selecionamos sugestões de plano de aula diferenças, confira:
Materiais adequados são um bom aliado nessa tarefa, veja nossas sugestões para trabalhar com este tema:

Plano de aula diferenças

Tema:  Socializando com as diferenças

DISCIPLINA TRABALHADAS:

– Historia, Geografia, Português,  Ensino Religioso e Arte.

O que é?

Uma proposta de trabalho com reflexões, analises, discussões e ações sobre nossa sociedade plural, visando suscitar atitudes de respeito entre os diferentes grupos e culturas que a constituem.

TEMAS TRANSVERSAIS:

-Ética e Pluralidade Cultural.

Por quê?

Nossa sociedade é formada por diferente etnias, com imigrantes de diferentes países, assim faz-se necessário buscar caminhos para uma convivência harmoniosa, para a construção de uma sociedade verdadeiramente democrática, na qual todos são iguais em direitos e deveres. O preconceito velado existente em nossa sociedade, a discriminação de um mundo viável, precisamos fomentar nas escolas a valorização do homem, independentemente de cor, etnias, religião, sexo e idade.

Objetivos:

  • Possibilitar ao educando uma formação integral, resgatando valores e culturas, encaminhando os para a formação de um mundo melhor e mais justo;
  • Transformar reflexões, discussões, analises, em mudanças de atitudes, em ações,

em busca da igualdade;

  • Desenvolver atitude de respeito perante as diferenças, mediante momentos de interiorização, para ampliar o autoconhecimento;
  • Alem dos objetivos acima citados, os educando devem perceber a influencia da estrutura social na vida cotidiana do homem.

Conceitos:

  • Conhecer e comparar diferentes tipos de culturas ( índios, ciganos, etc.;
  • Conhecer e respeitar o modo de vida de outras culturas, reconhecendo diferenças e semelhanças entre ela;
  • Identificar e valorizar a função social de cada uma delas;
  • Conhecer a discriminação, exclusão social nos vários tempos históricos;
  • Identificar as principais características dos excluídos ao longo da historia;
  • Identificar e dimensionar processos de escravidão;
  • Localização geográfica.

Procedimentos:

  • Conscientizar sobre o preconceito, discriminação e exclusão social existentes em nossa sociedade;
  • Conscientizar sobre as diferenças existentes no próprio grupo;
  • Analisar diferentes realidades étnicas, em vários momentos históricos;
  • Analisar até os dias atuais;
  • Analisar as implicações econômicas;
  • Produzir cartazes, murais, charges, etc.

Atitudes:

  • Valorizar e respeitar todas as etnias;
  • Valorizar a troca de idéias e opiniões;
  • Cooperar com os colegas;
  • Expressar idéias, sentimentos e respeitar os colegas;
  • Compartilhar experiências;
  • Valorizar o dialogo, a solidariedade, a justiça;
  • Refletir sobre a importância da amizade;
  • Compreender que somos interligados

Plano de aula Socializando com as diferenças em PDF:


Plano de aula Diferenças – Respeitar:


Plano de aula diferenças: A abelha chocolateira.

Confira mais uma sugestão de Plano de aula diferenças.

Plano de aula diferenças: A abelha chocolateira.

Material necessário

  • Cópias do texto A abelha chocolateira, de Katia Canton

Objetivos:

  • Reconhecer a fábula como gênero da língua portuguesa; identificar os elementos desse tipo de texto; e refletir sobre a moral e a ética no convívio social.
  • Com diálogos curtos e texto econômico, a fábula é uma história de ficção, escrita em verso ou em prosa. Uma de suas principais características é ter como personagens animais e plantas e objetos animados, que ganham características humanas. Essa forma alegórica de contar uma história apresenta as virtudes e os defeitos do mundo dos homens e leva a interpretações sociais para ilustrar um ensinamento ou uma regra de conduta. É por isso que toda fábula tem, no desfecho, uma moral.
  • Essa narrativa de natureza simbólica tem origem remota e incerta, pois se mescla à necessidade do homem de criar e de contar histórias para transcender as atividades cotidianas e recriar o mundo. Algumas fontes indicam que a fábula começou a ser contada na Suméria, no século 8 a.C. Mas foi na Grécia Antiga, em meados do século 5 a.C., pelas mãos do escravo Esopo, que ela ganhou a fórmula atual: sintética, alegórica, tendo animais demonstrando sentimentos e uma pitada de humor. Esopo sempre terminava as fábulas explicando a moral e, assim, ensinava valores. Graças ao francês Jean de la Fontaine (1621-1692), a fábula introduziu-se definitivamente na literatura ocidental, dessa vez de forma menos sintética e mais contextualizada. Ontem e hoje, com nuanças e autorias diferentes, as histórias se repetem.
  • A principal proposta do gênero é a fusão de dois elementos, o lúdico e o pedagógico. A leitura de A abelha chocolateira, da escritora Katia Canton, vai ajudar seus alunos a entendê-lo melhor. O texto pode ser explorado com turmas de 2a série de acordo com o plano de aula elaborado pela pedagoga Wânia Menezes Picchi, professora da Escola Viva, em São Paulo.

O que cada animal faz, na natureza e na ficção

Antes de apresentar a fábula à turma, provoque uma discussão sobre o comportamento dos animais em seu ambiente. Divida os estudantes em grupos e questione-os sobre as funções que cada bicho exerce no seu grupo. O que se espera da formiga? Que ela transporte folhas, cascas e outros materiais para construir o formigueiro. E da leoa? Que ela saia para caçar e traga alimentos para os machos e os filhotes. Na colmeia, a função da abelha operária é colher o néctar para fazer mel. Registre no quadro-negro ou em um papel grande as hipóteses que a garotada levanta.
Distribua o texto A abelha chocolateira para as crianças e peça para acompanharem a leitura que você faz em voz alta. Ainda em grupos, elas vão marcar no texto palavras ou trechos que indicam ações humanas atribuídas às abelhas – “gritava”, “tem que aprender”, “fazia tudo direitinho”, “esbravejaram”, “indagou”, “fundaram uma fábrica de pão de mel” etc. – assim como características – “é horrorosa”, “um desgosto para a raça”, “rejeitado de vergonha” etc.
Hora de retomar a primeira discussão sobre as funções de cada animal na natureza e comparar o registro que está na lousa ou no papel com os trechos grifados no texto. Provoque um diálogo sobre as conclusões do grupo e vá registrando as idéias: o que vocês perceberam quando compararam as atitudes do animal em seu hábitat natural e na história? Na natureza, a abelha age de um jeito e no texto ela se comporta mais como as pessoas. Vá conduzindo a discussão de forma que os alunos percebam os elementos estruturais da fábula. Peça para copiarem as conclusões no caderno.
O próximo passo é fazer a leitura de fábulas de autores diversos para os estudantes perceberem sua estrutura. A repetição facilita a assimilação e a generalização das características do gênero, permitindo que eles compreendam que aqui é a estrutura que prevalece e não a autoria, como num romance.
Esses textos podem ser dramatizados. Divida a turma em quatro grupos e entregue a cada um uma fábula diferente. Após a leitura, cada grupo vai bolar um roteiro e definir quem será cada personagem. Como lição de casa, peça para treinarem suas falas – um aluno deve ser o narrador. Reserve uma aula para um ensaio geral outra para a apresentação dos grupos.

A importância de respeitar as diferenças

Retome o texto A abelha chocolateira para refletir sobre a moral da história. Em dupla, os alunos devem discutir com o colega e escrever qual a função da abelha operária dentro da colméia. Depois, individualmente, eles vão responder o que a autora quis dizer com a frase “Anita fazia tudo direitinho”. Como as outras abelhas operárias reagiram ao comportamento de Anita? No final da fábula, Anita esboçou um tímido sorriso. Pergunte: como ela estava se sentindo ao produzir um mel diferente? Alguma vez você já esboçou um tímido sorriso por algum sentimento? Conte em detalhes como foi.
A ideia é ver se o aluno se identifica com a moral da história. Lembre que a moral deve ser trabalhada como conseqüência da situação que a fábula apresenta e nunca isoladamente. Por fim, sugira que as crianças produzam uma narrativa em que apareçam personagens com características bem distintas. O objetivo é incentivá-las a trabalhar com as diferenças e as riquezas que existem em cada pessoa, a base da moral da fábula de Katia Canton.

Plano de aula diferenças A abelha chocolateira em PDF:

Sempre querendo facilitar para você professor, confira o plano de aula acima apresentado em PDF pronto para imprimir e aplicar em sala de aula com alunos das series iniciais.

Para ter acesso é simples fácil e pratico: Baixe em pdf.


Atividades para o plano de aula diferenças:

Observe os alunos da professora Márcia.

Agora pensa junto com seus colegas e professor:

Imagine quais as características fi sicas que devem ter os parentes de Ana e Bruna?

Atividades para o plano de aula diferenças: Atividades para o plano de aula diferenças:


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *