<

Triste Fim de Policarpo Quaresma


A obra Triste Fim de Policarpo Quaresma é um romance pré-modernista brasileiro escrito por Lima Barreto (1881-19922) publicado em 1915, é considerado o principal livro que representa esse movimento literário.

A obra é extensa, dividida em três partes, a mesma foi publicada no Jornal do Commercio, no ano de 1911, levando exatamente cinco anos para ser publicada integralmente em livro, publicação essa custeada pelo próprio autor. Infelizmente, Lima Barreto não teve grande conhecimento diante das suas obras, na maioria do tempo permaneceu como anônimo diante dos leitores, sendo que suas principais escritas foram publicadas logo após sua morte.

As historias de Policarpo Quaresma tem como cenário os primeiros anos da Republica, ano esse do então governo de Floriano Peixoto (1891-1894) Mas é curioso notar que a obra só foi escrita em 1911, ano esse que completava vinte anos do então governo.  O personagem principal é caracterizado como um homem engajado e revolucionário, base essa que deu a discussão dos fatos histórico-sociais.

Triste Fim de Policarpo Quaresma
Triste Fim de Policarpo Quaresma – Capa

Vamos conhecer um pouco mais dessa obra brilhante?

ESTRUTURA DA OBRA

A obra é dividida em três partes cada qual com cinco capítulos, todos os capítulos são organizados de uma forma cronológica para melhor entendimento de toda narrativa descrita.

Kit de Alfabetização Só Escola

Foco Narrativo: Como quase todas as obras literárias, Policarpo Quaresma é narrado em terceira pessoa, ou seja, um narrador onisciente, esse tipo de narrativa garante o grande aprofundamento dos personagens da historia, desvendando sentimentos, pensamentos e emoções, com o narrador mais distante, abra-se a possibilidade de um analise psicológica e o distanciamento de algum tipo de envolvimento pessoal, tirando o fato que o narrador onisciente se envolve com os próprios personagens descritos, criando certa simpatia e dedicação por eles.

Ação: Os fatos apresentados no livro permitem uma cronologia de ações exatas e continuas, tornando a ação dinâmica e rápida, todo esse contexto é objetivado no comportamento do protagonista principal, Policarpo. A narrativa continua, ou seja, sua Linearidade é quebrada a partir do momento da internação e saída de Policarpo do então chamado manicômio, passados quatro meses o narrador volta e explica os motivos para tal acontecimento.

Tempo: Como já mesmo mencionado o tempo é cronológico, o momento histórico é passado no período anterior e posterior a Revolta da Armada, entre os anos de 1891-1894, anos esse que marca os primeiros passados da republica e o então governo de Floriano Peixoto, todo esse contexto explica tal nome dado a obra, Triste Fim de Policarpo Quaresma, é considerado um romance que marcou época, pois envolve temáticas como políticas e elementos sociais

Espaço: O espaço adaptado na obra é no Rio de Janeiro, é nesse lugar que passa toda ação e romance da narrativa. Em um dado momento da historia é mencionado o sitio “sossego”, local esse localizado na vila Curuzu

PERSONAGENS PRINCIPAIS

Policarpo Quaresma: O personagem é o principal de toda narrativa, é caracterizado como patriota e subsecretario no Arsenal da Guerra, um verdadeiro apaixonado pelos livros e pelo Brasil, suas características físicas eram vistas com curiosidade pelas pessoas, com estatura pequena e magra, era um grande estudioso, mas se mantinha longe da política. Infelizmente durante a historia é visto como louco pelas pessoas, o mesmo propôs que a língua oficial do Brasil fosse o tupi, foi morto em uma prisão.

Ricardo Coração dos outros: Personagem que tinha ligação direta com Policarpo, professor de violão do mesmo tocava grandes modinhas e canções, é um artista que ganha grande admiração de todas as pessoas, e se torna grande amigo de Quaresma pelo fato de dividirem o grande patriotismo em comum.

Olga: Na narrativa é afilhada de policarpo, mantém uma relação boa com seu então padrinho, igualmente o seu padrinho Quaresma mantinha os mesmos pensamentos revolucionários, infelizmente casou-se contra sua vontade, sem estar apaixonada, apenas para cumprir as famosas ordens sociais da época.

Ismênia: Durante a obra é mostrada como vizinha de Quaresma, ficou noiva por longos cinco anos, quando finalmente o casamento teve dia certo, seu noivo some sem explicações. Ismênia ficou tão abalada e triste com a situação, que progride problemas emocionais e psicológicos, com o tempo foi adoecendo e veio a falecer vestida com seu vestido de noiva.

General Albernaz: Pai de Ismênia também é vizinho de Quaresma

Adelaide: Na narrativa é Irma de policarpo, solteira, muda-se para o sitio com o seu irmão

Coleoni: É pai de Olga

Anastácio: Anastácio, personagem negro e empregado de Policarpo, considerado servo fiel do personagem e companheiro nas horas de solidão, o acompanhou também para o sitio

Bustamante: Personagem que participou da revolta, Tenente-Coronel e grande amigo do General Albernaz

Também: recomendamos:

RESUMO DA OBRA

O livro, como mesmo mencionado, é dividido em três partes:

Rotina do Major Policarpo Quaresma: A narrativa começa abordando o personagem Policarpo Quaresma, um patriota nato que buscava sempre valorizar a cultura e a beleza do país. Era um homem de estatura baixa e com grande magreza, entre as pessoas era considerado estranho, essa estranheza advinha pela sua coragem e pensamentos revolucionários, era um grande admirador dos livros. Naquela época não era muito usado a aprendizagem de certos instrumentos, Policarpo começou tomar aulas com seu então professor de violão Ricardo Coração dos outros, que ao longo do tempo tornou-se um grande amigo, além do violão, Quaresma dedicou-se e muito em aprender a língua tupi-guarani, ninguém o entendia verdadeiramente, nem os seus amigos mais próximos, Policarpo sempre gostou de aprofundar nas coisas verdadeiramente Brasileiras, como a comida, as vestimentas, os lugares. Em um dado momento da narrativa, Quaresma decide fazer um oficio para o Ministro, nesse oficio continha a escrita tupi, alegando que a mesma poderia se tornar a língua oficial, considerado louco, foi internado por longos seis meses em um hospício, recebendo apenas visitas de sua afilhada Olga e o pai.

 Na segunda parte da narrativa, após o processo de internamento, Policarpo recebe o conselho de sua afilhada para mudar-se de lugar, tomar novos ares, Quaresma então decide morar em um sitio junto com ele sua irmã e seu fiel empregado, Anastácio.  Quaresma apelida o sítio de “O sossego”, e a partir dessa mudança de ares, surge uma nova paixão, a botânica, a riqueza das terras Brasileiras. Em um dado momento, o escrivão e tenente Antonio Dutra o convida para ajudar na organização da Festa de Conceição, Quaresma totalmente contra a troca de favores da política, nega o pedido, com essa negativa, os políticos revoltados com o personagem, decidem afetar o sitio de Policarpo, cobrando taxas e impostos absurdos, com esses acontecimentos, o personagem de Quaresma começa a ficar triste e desanimado, pensando em apenas uma saída, a reforma agrária, mas a idéia era pequena diante dos desejos do progresso do Brasil, policarpo desejava uma mudança no governo geral

Já na terceira parte da narrativa, Quaresma acaba tendo conhecimento da nova revolta armada no Rio de Janeiro, com esse fato o personagem volta para a cidade e é convidado para integrar na revolta, o mesmo é listado como Major, com a guerra acontecendo, o cotidiano dos moradores muda completamente, durante a guerra policarpo que dava as ordens, e acabou trocando tiros com um homem, o matando, Quaresma é apenas ferido levemente. Durante esse acontecimento Policarpo fica indignado e entristecido, escreve uma carta para a sua irmã pedindo perdão, misto de culpa e medo, nessa fase Policarpo é afastado da guerra, e logo após o seu termino, é preso sem motivos aparentes, durante a prisão, Quaresma se questiona o motivo daquele fim, um homem que dedicou toda sua vida a pátria. Ricardo vendo aquela situação, tenta salvar o então amigo, mas nada aconteceu, infelizmente é acusado de traição por Marechal Floriano, e é condenado ao fuzilamento, morrendo como um herói.

ANALISE DA OBRA

A obra é uma analise da sociedade Brasileira da época, época essa da grande ascensão da republica e tensão de política. Com narrador onisciente, durante a narrativa os fatos não são julgados, deixando a cargo do leitor essa missão, ou seja, a narrativa não demonstra lado, não demonstra posicionamento. Podemos notar todo esse contexto em Policarpo, durante a leitura o leitor pode sentir pena da sua ingenuidade e ao mesmo tempo graça na sua grande paixão pela pátria, a sua fuga constante da realidade e preocupações um tanto incomuns para um homem que não chegou a cursar a faculdade e demonstrava grande dedicação aos livros, que para nós leitores não é problema algum.

O texto faz uma pequena comparação com Dom Quixote, essa comparação foi feita, pois ambos não compreendiam a realidade, apenas viviam sonhos idealizados, cheios de ingenuidade, partindo para uma verdadeira denuncia social

É curioso pensar que as três partes do livro é dedicado os três sonhos do personagem Policarpo, na primeira parte mostra a grande vontade do personagem em aprender violar e a tocar modinhas, buscando a cultura brasileira. Na segunda a mudança de ares, de vida, em um sitio, vendo nas terras brasileiras a oportunidade de uma possível reforma agrária, não sendo possível. E na terceira parte, a parte da revolta, ele busca a transformação do país em sua participação na guerra, fato esse que não aconteceu.

É possível perceber que no titulo do livro “Triste Fim de Policarpo Quaresma”, não é difícil reparar que o final não teria um desfecho feliz, Policarpo um personagem que acreditava em mudanças, que tanto valorizava seu meio, seu país, acaba sendo acusado de traição e morto sem piedade. Durante esse processo preso, antes da sua morte, Policarpo percebe que tudo aquilo foi em vão, a pátria que ele sempre idealizou, nunca existiu.

Além desse contexto, o autor faz criticas reais do então governo de Floriano Peixoto, e retrata criticas sociais da sociedade vigente, como a troca favores, as injustiças sociais, a grande burocracia, interesses políticos, e principalmente o clientelismo

A obra é um romance pré modernista, destaque para o nacionalismo e regionalismo, a denuncia social, temas históricos e cotidianos, e uma linguagem bem coloquial.

FILME

A obra clássica de Lima Barreto também ganhou espaço nas telinhas do cinema, em uma versão cinematográfica, no ano de 1998, o filme foi nomeado como “Policarpo Quaresma, Herói do Brasil”, o roteiro teve adaptação de Alcione Araujo e o diretor Paulo Thiago.