<

Métodos contraceptivos


Os métodos contraceptivos podem ser entendidos como procedimentos, dispositivos, substancias que permitem a livre e espontânea escolha da mulher de querer ou não engravidar, sendo uma conquista que revolucionou o movimento sexual das mulheres.

CONQUISTA DOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS

Há exatamente 50 anos atrás surgiu à pílula anticoncepcional, um tipo de método contraceptivo que falaremos ao longo desse artigo, infelizmente mulheres de antigamente não podiam separar sexualidade de maternidade, com isso a revolução feminina tomou maiores proporções em busca de meios para que pudessem decidir diante das suas escolhas sexuais e maternais, a partir disso, em 1960, os Estados Unidos, mostrou pro mundo a criação da pílula anticoncepcional, que apenas chegou no Brasil em 1962, a pílula não só trouxe a liberdade da escolha de ter filhos, mas também a emancipação sexual, possibilidade de adentrar aos estudos, de trabalhar e conquistar a tão sonhada dependência financeira.

MÉTODOS UTILIZADOS

Nos dias atuais existem variados tipos de métodos que podem ser usados pelas mulheres para evitar uma possível gravidez, lembrando que é sempre necessário e recomendável consultar um medico antes de tomar ou utilizar qualquer método contraceptivo, é fundamental, pois cada mulher reage de maneiras e formas diferentes com o tipo de método escolhido, vamos conhecer algum deles?

Os métodos mais utilizados nos dias atuais são chamados de preservativo, tanto masculino e feminino, podem ser chamados também de métodos barreiras, pois cria obstáculos físicos entre o útero e o espermatozóide, e além de prevenir uma gravidez indesejada é extremamente importante para evitar DSTS, ou seja, doenças sexualmente transmissíveis.

DIU COBRE: O DIU é o método mais utilizado pelas mulheres nos dias atuais, eles são colocados no órgão genital antes de haver qualquer relação sexual, eles matam e impedem que os espermatozóides se movam e adentrem a cavidade do útero criando um ambiente hostil, são mais de 170 milhões de mulheres que o utiliza como método, pode durar por longos 10 anos e apresenta uma dosagem hormonal bem pequena. A eficácia pode chegar a 99,3% dos casos.

DIU HORMONAL OU DIU MIRENA O DIU hormonal apresenta uma eficácia muito alta, chegando a 99%, pode ser comparada ao DIU de cobre, apenas com algumas diferenças, sua duração é de apenas de 5 anos, e pode haver durante o processo sintomas de inflamação no útero da mulher , a vantagem do mesmo é que possibilita a retardação da menstruação em 80%, evita cólicas e diminui o fluxo menstrual.

DIAFRAGMA E CAPUZ CERVICAL: São métodos parecidos que ainda não é muito utilizado pelas mulheres atualmente, é um dispositivo que é colocado no órgão genital feminino, ele tem a função de fechar o canal do colo do útero, impedindo assim a passagem de espermatozóides, é orientado que esse dispositivo seja colocado 18 horas antes de ocorrer à relação sexual, recomendável retirar de 6 a 8 horas depois do termino. A eficácia é de 88% dos casos, a diferença de ambos é que o método capuz cervical é um pouco menor. Pode ser utilizado por até 3 anos se for armazenado de forma correta.  O ponto negativo que há possibilidade de falha de 10% e pode provocar irritações.

PILULAS ANTICONCEPCIONAIS: As pílulas anticoncepcionais ou métodos hormonais impedem a produção de ovulação feminina, contem substancias de progesterona e Estrogênio, é preciso tomar diariamente e preferencialmente no mesmo horário. É o método mais utilizado pelas mulheres, 100 milhões de mulheres utilizam esse método. Alguns fatores agravantes podem ser apresentados, como risco de trombose, principalmente em quadros de mulheres fumantes, diabéticas, hipertensas, excesso de peso, enfermidades, são casos que afetam diretamente a circulação sanguínea podendo assim transformar em um quadro de trombose. Sua eficácia pode chegar a 97% dos casos, e existem variadas marcas de pílulas que são tomadas com orientação médica.

MINIPILULA: Diferentemente da pílula anticoncepcional, sua eficácia chega a 94%, e apenas apresenta um hormônio em sua composição, a progesterona, elas também devem ser tomadas diariamente e são indicados principalmente para mulheres no período de amamentação.

IMPLANTE SUBCUTÂNEO: O implante subcutâneo na maioria dos casos tem a eficácia de 99%, é de longa duração e apenas possui um hormônio, o progesterona, o método é implantado no braço, ou seja, na parte interna, chamada de tecido subcutâneo, dando assim sentido ao nome do método.  O formato é de um pequeno palito, parecido com um palito de fósforo. Entre todos os métodos mencionados, apresenta a menor taxa de gravidez, chegando a menos de 0,05% por centos dos casos, o mesmo libera diariamente quantidades de hormônios que inibe a ovulação.

Há aqueles que facilitam a vida das mulheres que são os famosos métodos injetáveis, como a injeção, pode ser tomadas mensalmente ou trimestral, a vantagem é que não precisa ser tomada todos os dias e nem precisa ser lembrada.

Não podemos esquecer-nos do Adesivo Transdérmico e o anel vaginal, o adesivo transdermico, é semelhante à pílula, a troca é feita 1 vez por semana, os efeitos colaterais são baixos, pois a dosagem hormonal é pequena, sua eficácia chega a 91% dos casos, pode ser colocado em diversas partes do corpo, apenas evitando a região das mamas. Já o anel vaginal tem a eficácia de 91%, é colocado no órgão genital feminino, em formato de 8, funciona do mesmo modo  do anticoncepcional, deve ser retirado após completar o ciclo de 21 dias, tendo uma pausa de 7 dias, depois dessa pausa outro anel deve ser utilizado.

MÉTODOS NATURAIS OU COMPORTAMENTAIS DE RISCOS

Esses métodos são considerados perigosos, pois não há uma eficácia muito grande, podemos citar a tabelinha, que ainda é muito utilizada pelas mulheres como um tipo de método, o mesmo precisa de muita cautela e atenção, ela tem a funcionalidade de evitar relações sexuais em períodos de ovulação alta, ou seja, período fértil. A tabelinha funciona de maneiras diferentes para cada mulher, de acordo com cada organismo e ciclo menstrual. A eficácia não chega a 40% dos casos.

TEMPERATURA CORPORAL BASAL: Esse tipo de método tem como função controlar a temperatura corporal do corpo da mulher diariamente, essa temperatura sofre um aumento faltando apenas 1 ou 2 dias para ovulação, em alguns casos é bem difícil de perceber esse aumento de temperatura, pois fatores externos podem atrapalhar essa medição, com isso a eficácia não chega a 30%, ou seja, é bem baixo.

OVULAÇÃO DE BILLINGS OU MUCO CERVICAL: É um método em que é avaliado os aspectos do muco cervical, essa analise permite observar  os períodos de maior ou menor freqüência de fertilidade, no período fértil pode ser identificado o muco em mais abundancia, com aspecto transparente e elástico, parecida com o aspecto de clara de ovo, nesse período é  facilitado  o deslocamento do espermatozóide. Sua eficácia também é bem pequena em comparação com os outros métodos.

Confira também:

MÉTODOS CIRÚRGICOS:

Os métodos cirúrgicos em sua grande maioria são de cenário definitivo, apenas em alguns casos que podem acontecer ocorrências de falhas. São indicados para homens e mulheres que já tiveram filhos e não desejam mais.

No exemplo das mulheres temos a laqueadura ou ligadura de trompas, é uma cirurgia simples e permanente em que as tubas uterinas são amarradas ou cortadas para impedir a descida do ovulo e consequentemente o encontro com o espermatozóide, ou seja, a fecundação.  É somente indicados para mulheres com idade entre 24 e 25 anos, que já tenham pelo menos 2 filhos, sendo umas discussão de grandes criticas nos dias atuais, pois a mulher para pode realizar essa cirurgia é preciso ter filhos, levando ao fato que não podem ter controle com o próprio corpo.

A vasectomia é um outro procedimento cirúrgico que interrompe o canal que leva os espermatozoides produzidos pelos testículos até a saída do canal da urina, a anestesia é local, e  seu efeito é  permanente , é uma cirurgia rápida que não precisa necessariamente de internação.  A faixa etária é para homens com mais de 30 anos de idade, sendo até uma escolha alternativa para as mulheres que não podem tomar métodos contraceptivos ou possuem algum problema de saúde e não podem engravidar.

Ambos os procedimentos são eficazes, chegando a 99,9% dos casos

CURIOSIDADES – Métodos contraceptivos

Você sabia que não foi apenas nos anos de 1960 que os métodos contraceptivos começaram a ser usados? Isso mesmo, a  historia dos métodos contraceptivos vem de uma historia milenar, segundo alguns historiadores, ela já era utilizada há muito tempo atrás, mais precisamente 490. A.C na Grécia antiga, Hipócrates apontou que sementes de cenouras selvagens com seu consumo prevenia a gravidez.

Aristóteles outro pensador da época, apontou as mentha plegium, espécie de uma planta, que possuía propriedades contraceptivas que funcionava como uma prevenção a gravidez, era mais usada em áreas do mediterrâneo.

Os antigos egípcios usavam uma espécie de tampões vaginais, esses tampões eram feitos de excrementos de animais e plantas, bem estranho não é?

Já na época dos Romanos, surgiram os primeiros preservativos, ou seja, os preservativos já têm uma historia bem antiga, era feito de linhos e bexigas de animais, bem exótico não é?

Em 1564, o preservativo sofreu um pulo de inovação e modernidade, o material usado antigamente passou a ser feito de intestinos de animais, continuando a ser uma maneira de fabricação bem exótica, com o passar do tempo precisava-se de um material forte e resistente o bastante para ser usado nas relações sexuais, apenas no século 19, criou-se o preservativo de borracha.

E como mencionado, no ano de 1921, Gottlieb Haberlendt, criou a primeira pílula anticoncepcional.