Totalitarismo na Europa

O Regime Totalitário na Europa ocorreu em diferentes países, diferentes momentos, sob específicos contextos.


Totalitarismo, forma de governo que teoricamente não permite liberdade individual e que procura subordinar todos os aspectos da vida individual à autoridade do Estado. O ditador italiano Benito Mussolini cunhou o termo totalitário no início da década de 1920 para caracterizar o novo estado fascista da Itália, que ele descreveu como “tudo dentro do estado, nenhum fora do estado, nenhum contra o estado”. , totalitário tornou-se sinônimo de governo uni partidário absoluto e opressivo. Outros exemplos modernos de estados totalitários incluem a União Soviética sob o governo de Joseph Stalin, a Alemanha nazista sob o governo de Adolf Hitler, a República Popular da China sob Mao Zedong e a Coréia do Norte sob a dinastia Kim.

Veja também: Guerra da Síria.

Qual é a diferença entre totalitarismo e autoritarismo?

No sentido mais amplo, o totalitarismo é caracterizado por uma forte regra central que tenta controlar e dirigir todos os aspectos da vida individual através da coerção e da repressão. Exemplos históricos de tal governo totalitário centralizado incluem a dinastia Maurya da Índia (c. 321-c. 185 aC), a dinastia Qin da China (221-207 aC) e o reinado do chefe zulu Shaka (c. 1816–1828). . A Alemanha nazista (1933-1945) e a União Soviética durante a era Stalin (1924-1953) foram os primeiros exemplos de totalitarismo descentralizado ou popular, em que o estado alcançou um apoio popular esmagador para sua liderança. Esse apoio não foi espontâneo: sua gênese dependia de um líder carismático, e só foi possível graças aos desenvolvimentos modernos na comunicação e no transporte.

O totalitarismo é muitas vezes distinguido da ditadura, do despotismo ou da tirania ao suplantar todas as instituições políticas por novas e por varrer todas as tradições legais, sociais e políticas. O Estado totalitário persegue algum objetivo especial, como a industrialização ou a conquista, excluindo todos os outros. Todos os recursos são direcionados para sua obtenção, independentemente do custo. O que quer que seja, mais adiante, o objetivo é suportado; o que quer que frustre a meta é rejeitado. Essa obsessão gera uma ideologia que explica tudo em termos do objetivo, racionalizando todos os obstáculos que possam surgir e todas as forças que possam enfrentar o estado. O apoio popular resultante permite ao Estado a mais ampla latitude de ação de qualquer forma de governo. Qualquer dissidência é considerada má e as diferenças políticas internas não são permitidas. Como a busca do objetivo é a única base ideológica para o Estado totalitário, a conquista do objetivo nunca pode ser reconhecida.

Sob o governo totalitário, instituições e organizações sociais tradicionais são desencorajadas e suprimidas. Assim, o tecido social é enfraquecido e as pessoas tornam-se mais receptivas à absorção em um único movimento unificado. A participação em organizações públicas aprovadas é, a princípio, encorajada e depois requerida. Velhos laços religiosos e sociais são suplantados por laços artificiais com o Estado e sua ideologia. À medida que o pluralismo e o individualismo diminuem, a maioria das pessoas abraça a ideologia do Estado totalitário. A diversidade infinita entre os indivíduos se desfaz, substituída por uma conformidade de massa (ou pelo menos consentimento) às crenças e comportamentos sancionados pelo Estado.

Veja também: Democracia no Brasil.

A violência organizada em grande escala torna-se permissível e, às vezes, necessária sob o domínio totalitário, justificado pelo compromisso primordial com a ideologia do Estado e a busca da meta do Estado. Na Alemanha nazista e na União Soviética de Stalin, classes inteiras de pessoas, como os judeus e os kulaks (ricos camponeses), respectivamente, foram escolhidos para perseguição e extinção. Em cada caso, os perseguidos estavam ligados a algum inimigo externo e culpados pelos problemas do Estado, e assim a opinião pública foi despertada contra eles e seu destino nas mãos dos militares e da polícia foi perdoado.

As operações policiais dentro de um estado totalitário geralmente parecem semelhantes àquelas dentro de um estado policial, mas uma diferença importante as distingue. Em um estado policial, a polícia opera de acordo com procedimentos consistentes conhecidos. Em um estado totalitário, a polícia opera sem as restrições de leis e regulamentos. Suas ações são imprevisíveis e dirigidas pelo capricho de seus governantes. Sob Hitler e Stalin, a incerteza estava entrelaçada nos assuntos do estado. A constituição alemã da República de Weimar nunca foi revogada sob Hitler, mas um ato de habilitação passado pelo Reichstag em 1933 permitiu-lhe alterar a constituição à vontade, anulando-a de fato. O papel do legislador tornou-se investido em uma pessoa. Da mesma forma, Stalin Dedicou uma constituição para a União Soviética em 1936, mas nunca permitiu que ela se tornasse a estrutura da lei soviética. Em vez disso, ele foi o árbitro final na interpretação do marxismo-leninismo-stalinismo e mudou suas interpretações à vontade. Nem Hitler nem Stalin permitiram que a mudança se tornasse previsível, aumentando assim a sensação de terror entre o povo e reprimindo qualquer divergência.

  • Stalinismo. – Após a revolução de 1917 e a morte de Lenin se deu início a este movimento nas com o líder Josef Stalin. Quem garantiu eliminar seus adversários e ficar no poder de 1927 a 1953. No processo acabou com a liberdade civil no país e também contribuiu com sua transformação para que seja uma potência industrial. Porém, instaurou o Gulag, uma prisão para crimes políticos.
  • Fascismo – Na Itália com Benito Mussolini, a inspiração anticomunista e antidemocrática fez com que o levassem ao poder. Se incorporou gradualmente e focou na reforma da educação e captação de adeptos entre os marginalizados. O governo fascista de Mussolini foi um governo totalitário de direita.
  • Nazismo – Com Hitler como figura máxima e início em 1933 terminou após a segunda guerra mundial. Difundiu ideias antissemitas, perseguindo e exterminando principalmente judeus, porém também deficientes físicos e intelectuais, comunistas e religiosos.
  • Salazarismo – Foi o regime em Portugal estabelecido em 1933, controlou a liberdade de expressão e continuou com o colonialismo na África. Acabou unicamente em 1974 com uma Revolução.
  • Franquismo – Em Espanha com o Francisco Franco, com grandes inspirações fascistas e responsável pela Guerra Civil Espanhola. Os republicanos que foram derrotados se exilaram na França e no México. Após um regime antidemocrático que privilegiou a religião.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.