Brincadeiras e Dinâmicas, Educação Infantil, Volta às Aulas

Dicas Volta às Aulas


Selecionamos nesta postagem algumas sugestões e dicas volta às aulas. Essas dicas servem bastante para o ensino fundamental, principalmente primeiro ano mas dá pra ser adaptada também para o ensino infantil.

Dicas Volta às Aulas – O que um professor não deve fazer em sala de aula

Dicas Volta às Aulas – Como conquis atar os alunos no inicio de cada aula?

Dicas Volta às Aulas – Como manter os alunos engajados durante toda a aula

Algumas sugestões de dinâmicas para recepcionar e integrar a turma no primeiro dia de aula – Com dinâmicas divertidas, você professor apresenta a escola aos alunos, aproxima colegas de classe e contribui para que todos se sintam acolhidos dentro do novo grupo. Primeiro dia de aula. A turma toda está na expectativa para saber quem serão os novos professores. Muitos alunos nunca se viram ou mal se conhecem.

Veja também:

Para formar um grupo unido, bem relacionado e em sintonia com você, esqueça a velha tática de dar bom dia, fazer as apresentações e entrar no conteúdo. Confira a seguir as atividades de integração para diversos níveis de estudo.

Como é meu colega

Diga à classe que todos vão ganhar um “retrato”. Pregue na parede uma folha de papel Kraft da altura da criança. Posicione o aluno de modo que fique encostado na folha e, com um lápis, desenhe o contorno do corpo dele. Estimule a turma a dizer como é o cabelo, o rosto, se usa óculos etc. Durante a atividade, repita muitas vezes o nome do aluno, para que os colegas memorizem. Faça o “retrato” de todos. Por fim, peça a um colega que desenhe o seu contorno, repetindo o processo de observação, para que as crianças também se familiarizem com você. Pendure os desenhos na parede e elogie o grupo. Nos dias seguintes, logo na entrada, pergunte à classe quem é cada um dos colegas desenhados e se ele está presente. Se estiver, ganha uma salva de palmas. Deixe os papéis expostos por algum tempo. É importante para os pequeninos que suas produções permaneçam ali até eles se sentirem pertencentes ao grupo e ao ambiente.

Os materiais que vamos usar:

Esconda na sala sacos ou embrulhos contendo materiais diversos que farão parte do cotidiano da meninada. Pode ser, por exemplo, livros, jogos, pincel, tesoura ou um pouco de argila. Peça às crianças que procurem, em duplas, pelos objetos. Isso já estimula a cooperação entre elas. Oriente a busca dizendo “quente”, se o que procuram está perto, “morno”, se está a uma distância média, ou “frio”, quando estiver longe. Depois que todos os pacotes forem encontrados, pergunte que atividades podem ser feitas com os materiais e aproveite para explicar melhor a função de cada um. Mostre como e onde eles ficarão guardados, chamando a atenção para a importância de manter o ambiente de trabalho sempre bem organizado.


Meu nome é…

Faça crachás com o nome das crianças e coloque no chão da sala, no meio de uma roda. Peça que cada uma identifique seu nome. Incentive o reconhecimento das letras iniciais, conte quantas letras compõem cada nome e faça com que elas percebam letras iguais em nomes diferentes. Quando todas já estiverem com crachá, comece um gostoso bate-papo sobre as preferências de cada um quanto a um tema predeterminado (como alimentos, brincadeiras, objetos ou lugares). Agrupe as crianças de acordo com as afinidades. Na etapa seguinte, peça aos alunos que desenhem aquilo de que gostam em uma folha e coloquem o nome. Quem não souber escrever sozinho pode copiar do crachá. Depois de prontos, os desenhos são mostrados aos colegas e, em seguida, expostos no mural. Com os alfabetizados, a dinâmica é a mesma, mas, além de desenhar, eles podem fazer uma lista de suas preferências.

Confira também:


Quem é meu professor?

Organize uma entrevista para que os alunos conheçam você melhor. Divida-os em grupos e solicite que elaborem questões como se fossem repórteres. Diga que as perguntas podem ser sobre sua idade, se tem filhos, quanto tempo tem de profissão ou onde mora, por exemplo. Prontas as questões, sente-se num local da sala onde todos possam vê-lo bem para respondê-las. Avise que todos deverão trazer, no dia seguinte, um breve texto sobre tudo o que lembrarem. Assim, eles prestam atenção. Na próxima aula, sorteie algumas crianças para ler a produção escrita e peça que as demais avaliem e complementem se necessário. Proponha essa atividade depois de promover a apresentação e o reconhecimento do espaço físico da escola (a seguir)


Turismo na escola

Se a sua turma for de 1ª a 4ª série, divida os alunos em grupos. Esse é um bom momento para integrar os novatos. Deixe-os junto aos veteranos, que devem se comportar como verdadeiros guias e anfitriões. Em cada folha de papel, descreva um local da escola, coloque os textos em uma caixa e organize um sorteio. Cada grupo retira um papel e tenta adivinhar qual é o local descrito. Em seguida, desafie os grupos a encontrar os locais sorteados. Chegando ao destino, os alunos desenham o ambiente com o máximo de detalhes, escrevem o nome dos funcionários que trabalham lá e a sua função. De volta à classe, os grupos trocam observações e registros e expõem suas produções. Num segundo momento, peça a eles que produzam um mapa da escola (com a sua ajuda, é claro) numa folha de cartolina. Em cada local específico do mapa, os desenhos são fixados. Estimule os grupos, nos dias seguintes, a visitar as dependências que ainda não foram percorridas. Em turmas de 5ª a 8ª séries, a garotada pode fotografar esses lugares e fazer entrevistas mais longas com os funcionários. Nesse caso, você não precisa fazer o mapa e pode pedir textos detalhados sobre os diversos “pontos turísticos” da escola.


Direitos e deveres

Já nos primeiros dias, estabelecer os famosos combinados pode evitar problemas e garantir um bom relacionamento ao longo do ano. Comece discutindo com a garotada o que espera do ano que se inicia e qual a melhor maneira de trabalhar em grupo para alcançar esses objetivos. Formule com todos (e escreva no quadro) a continuação das seguintes frases: “Temos direito a…” e “Somos todos responsáveis por…”. Lembre-se de que a declaração de direitos e deveres deve ser inspirada nas normas gerais da escola – que os alunos precisam conhecer – e ser focada no que deve ser feito, e não no que é proibido. A etapa seguinte é descobrir o que as outras turmas da escola combinaram. A troca de informação, além de enriquecer os tratados feitos por eles, promove a integração com colegas de outras classes. Ao terminar, peça a cada um que copie os tratados e cole na agenda. Assim, o texto estará sempre à mão. Além disso, os estudantes podem produzir dois grandes cartazes em cartolina para pendurar na parede da classe.


O que vamos aprender

Todo ano é a mesma coisa: o que esperar da série que se inicia? Uma situação desconhecida sempre dá um friozinho na barriga. Para baixar a ansiedade da meninada, registre no quadro algumas dúvidas e expectativas do grupo sobre o trabalho na nova classe e convide alguns estudantes da série seguinte para respondê-las. Deixe que falem livremente sobre as suas impressões e vivências como ex-aluno da série. Esse intercâmbio, logo no início, deixa a turma mais tranquila e segura e valoriza a cooperação e a interação entre diferentes classes.


O que penso ou sinto sobre…

Inspirado em conteúdos transversais a ser trabalhados ao longo do ano, escolha imagens extraídas de revistas ou jornais: animais em extinção, diferentes profissionais em ação, crianças numa fila de vacinação, mesa com alimentos saudáveis, indivíduos em situações precárias de vida, produtos tecnológicos modernos, mulher grávida, entre outras. Entregue uma para cada aluno e peça que escrevam o que sentem ou pensam sobre a imagem. Isso possibilitará conhecer o nível do texto com relação a coesão, coerência, adequação gramatical e ortográfica e vocabulário. Além disso, você vai conhecer gostos, sentimentos, histórias de vida e percepção de mundo dos adolescentes.


O que vou aplaudir?

Organize os alunos em duplas e selecione temas para ser discutidos. Por exemplo: Brasil, reciclagem de lixo, internet, camisinha, desemprego, Sol, música. Escreva a lista no quadro-negro e em pedaços de papel, que são colocados num saquinho. Cada dupla sorteia um, vai até a lousa e diz se aplaude ou não o tema sorteado. Peça que cada um justifique sua opinião. Um deve complementar a fala do outro expressando tudo o que sabem sobre o assunto. Com essa atividade, você poderá avaliar o conhecimento do grupo, seu nível de expressão e argumentação e descobrir quais são seus interesses. Essas informações serão valiosas para o seu planejamento.

Saiba mais em:

Dicas Volta às Aulas – O que fazer no primeiro dia de aula?

Dicas Volta às Aulas - O que fazer no primeiro dia de aula?

Acolhimento dos alunos

Considerando as especificidades dos alunos do primeiro ano e as necessidades de aprendizagens, neste documento há algumas sugestões de atividades para os primeiros dias de aula. Cabe lembrar que muitas dessas atividades devem ser desenvolvidas diariamente no decorrer do ano letivo.

No momento em que as crianças chegarem, deverão ser recebidas por todos os professores do 1º ano. O importante é que haja uma interação entre os professores e os pais desses alunos, portanto, a escola deve estar toda preparada para recebê-los.

Os pais ou responsáveis devem ser orientados a acompanhar os filhos até a entrada da sala de aula, onde o professor irá recebê-los. Em seguida, os pais devem ser encaminhados ao pátio da escola, para que, junto com os gestores, participem de uma apresentação da proposta de ensino, da rotina dos primeiros dias, do respeito às especificidades da faixa etária, do que as crianças irão aprender durante o ano (expectativas de aprendizagem), de como os pais podem ajudar nas tarefas dos filhos, bem como o desenvolvimento das atividades no decorrer do ano letivo.

Em sala de aula o professor organizará a turma para uma roda de conversa.

Roda de Conversa

Essa atividade permite aos alunos participarem de momentos de intercâmbio, ocasião em que ouvem os colegas, formulam perguntas e emitem opiniões sobre o tema discutido. Em situações como esta, em que as crianças são convidadas a relatar suas vivências, suas opiniões acerca de determinado tema ou assunto, suas impressões etc., elas são inseridas na linguagem oral, partilhando coletivamente os seus significados e apropriando-se dos significados do outro. Por meio da linguagem e da interação, as crianças podem ter acesso a outras realidades. Cabe ao professor estimular seus alunos a esse intercâmbio, considerando que a “conversa” deva ser vista como um conteúdo a ser trabalhado em sala.

Na roda de conversa, o professor, em primeiro lugar, deve contextualizar o motivo da atividade, visto que este seja o primeiro contato que ocorrerá na condição de alunos e professor. Cabe ao professor apresentar-se, pois isso servirá de modelo para que as crianças, posteriormente, sejam convidadas a falar de suas vidas como, por exemplo: Quem é? O que gosta de fazer quando não está na escola? Frequentou a pré-escola? Quais são os pratos ou comidas preferidas? De que brincadeiras gostam? Estas e outras perguntas afins podem fazer parte desta roda de conversa.

Saiba mais em: RODA DE CONVERSA: O que o professor precisa saber

Brincadeiras

As situações de brincadeira favorecem a interação, o movimento e autonomia entre as crianças. Quando participam de brincadeiras as crianças externam seus sentimentos e aprendem a se conhecer, em especial, quando interagem com os adultos e demais crianças. O contato com as regras da brincadeira permite que as crianças se apropriem de atitudes próprias do convívio coletivo.

Leitura e Escrita no Primeiro Ano

A alfabetização deixou de ser encarada como um momento estanque e passou a ser entendida como um processo, no qual o primeiro ano desempenha papel fundamental na aquisição da escrita e prática de leitura em atividades permanentes.

Nomes Próprios

Desde o primeiro dia, o professor pode explorar atividades de leitura e escrita dos nomes próprios, tendo como referência o nome das crianças. O importante é que os alunos tenham contato com a lista de nomes dos colegas da turma. Ela precisa ser preparada com antecedência pelo professor e afixada na parede da sala, acessível a todos.

 A lista deve ser apresentada em ordem alfabética, em letra de forma maiúscula, pois este tipo de letra é a mais indicada para os alunos em processo de aquisição do sistema de escrita. Sua organização em ordem alfabética coloca muitas questões no momento em que os alunos são convidados a participar de leitura da lista, favorecendo um conflito cognitivo; principalmente, com nomes que começam com a mesma letra, pois terão de “afinar” suas estratégias de leitura como, por exemplo, comparar e analisar a última letra ou outras letras que diferenciem um nome de outro.
Confira ainda:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *